terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Agents of SHIELD


Pode ler, não tem spoiler.
Confesso que estou totalmente viciado na saga desses agentes comandados por Phill Coulson. Uma série eletrizante! A cada episódio, uma novidade. Ou melhor, uma bomba. Tem horas que o roteiro parece ser todo improvisado, porque a história nunca segue um caminho fixo, que se possa vislumbrar o ponto final. A todo instante uma reviravolta acontece. Mas esse é o diferencial da série: a imaginação não tem limites.

Shield (aportuguesadamente falando, significa Quartel General de Divisão, Intervenção e Espionagem Internacional) é uma agência com a missão de proteger a população da Terra das ameaças das organizações criminosas e até de invasões alienígenas.

O personagem principal é o agente Coulson (Clark Gregg). E ele é simplesmente genial. Sempre sabe o que fazer, mesmo nos momentos de maior adversidade. Tem um humor peculiar, assim como um grande coração. 
Skye (Chloe Bennet) aparece como fio condutor da história. 

Todos que fazem parte do elenco principal conseguem cativar, mesmo que de formas diferentes.

Vale a pena assistir. Tem muita ação, aventura, traição e risadas.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Faça, mas faça agora


Certa vez, eu ouvi um homem contar uma história que me fez refletir.

Agora, eu conto a você.

Mark Bezos é capitão assistente de um grupo de bombeiros voluntários, em Nova Iorque. Certa madrugada, uma casa pegou fogo. Ele foi depressa ao local, mas foi apenas o segundo bombeiro voluntário a chegar.

Do lado de fora da casa, estava a dona. De pijama, descalça e apavorada. O primeiro voluntário recebeu, do capitão, a missão de salvar o cachorro da senhora. Se Mark tivesse chegado 10 segundos antes, ele teria essa tarefa.

Então o capitão o chamou e disse: 

- Bezos, eu preciso que você entre na casa. Eu preciso que você vá ao andar de cima, passe pelo fogo, e preciso que você pegue um par de sapatos para esta mulher.

- Mas, capitão... sapatos?

Não era exatamente o que ele esperava, mas foi cumprir a ordem.

Subiu as escadas, passou pelo corredor em chamas e entrou no quarto para pegar o par de sapatos. Depois, desceu com a carga e entregou à dona, no mesmo momento em que ela abraçava e se alegrava com a presença do seu cachorro, que havia sido resgatado. Na hora, Mark se sentiu bobo em fazer aquilo. Ele queria ter sido mais útil.

Semanas depois, o departamento recebeu uma carta da proprietária agradecendo a bravura dos bombeiros ao salvar sua casa e, para surpresa de todos, o ato de bondade que mencionou acima de todos foi "que alguém até havia pego um par de sapatos".

Ele ficou surpreso. Achava que sua ação tinha sido irrelevante para a senhora, dada a gravidade da situação que ela enfrentou. Mas, não. O que mais ficou vivo em sua memória foi o ato de amor, bondade e gentileza que aqueles voluntários haviam feito.

O conselho de Mark é: "não espere. Não espere até fazer o seu primeiro milhão para fazer a diferença na vida de alguém. Se você tem algo para dar, dê agora. Sirva comida aos desprovidos, limpe um parque local."  

Ninguém precisa ser herói para fazer o bem. Nem doar quantias milionárias para instituições de caridade. Faz-se o bem com a simplicidade de um coração alegre. Adotando um animal abandonado. Doando o que não é mais necessário. Dando carona a uma mãe que carrega sua filha nos braços, durante um dia chuvoso. Abrindo a porta para um cadeirante. Não estacionando na vaga para deficientes. Gastando um pouco do seu tempo para ouvir o que os outros têm a dizer.

Não importa se vai ser um ato grande ou pequeno. Se você for esperar por uma boa oportunidade para fazer algo, talvez nunca faça nada. Quem recebe, não vai cobrar algo grande. Vai agradecer mesmo que seja um detalhe.

O mundo está cheio de falantes, mas está carente de quem faz a diferença. Melhor do que falar, é fazer. E o melhor tempo para isso é agora. As pessoas não precisam de explicações ou desculpas, precisam de ações.

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Ser professor

Este foi o meu primeiro Dia do Professor. E espero que seja o primeiro de muitos. Lembro que desde pequeno eu gostava de brincar de dar aula. Fazia portas e paredes de quadro. E, mesmo não sabendo identificar as cores, sempre vivia cheio de gizes coloridos. Meus alunos eram imaginários, mas os conteúdos, não. Era o meu sistema de estudar para as provas. Eu passava a tarde brincando de ensinar as operações da matemática, interpretação de texto, os pontos cardeais, a chegada dos portugueses ao Brasil e tantas outras coisas... Parece que a estratégia deu certo (se não me falha a memória, tive apenas uma nota vermelha durante minha vida estudantil).

Ser professor é muito mais do que apenas repassar os ensinamentos escritos em um livro ou atribuir notas mediante o desempenho dos alunos. É compreender as dinâmicas que envolvem o universo dos estudantes. Notar as dificuldades que cada um apresenta, e a forma que essa resistência ao novo é exteriorizada, seja pelo grande número de faltas, por sempre chegar atrasado ou pela apatia durante as atividades propostas.

A missão do professor é fazer o diagnóstico precoce corretamente e realizar o tratamento capaz de reverter essa situação. Mas, para diagnosticar o problema, é preciso fazer uma autoavaliação. De que forma o conhecimento tem sido compartilhado? Será que os recursos utilizados estão em conformidade com o conteúdo proposto e com a necessidade dos estudantes?

Em um mundo cada vez mais dinâmico e tecnológico, ser professor torna-se mais complexo e desafiante. E um desses desafios é tornar as pessoas melhores. É oferecer a oportunidade de mudança e crescimento.

O melhor aluno não é o mais inteligente. É o mais esforçado. É o que mostra sede de conhecimento. Aquele que participa, que propõe. Que ensina, também. É aquele que gera discussão. E o melhor professor é aquele capaz de incitar tudo isso. Aquele que sabe no que é importante investir tempo. É aquele que não transforma o mundo, mas que ajuda as pessoas a transformá-lo.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

O aplauso da maioria nem sempre é bom sinal




São tantas coisas que nos passam batidas, que muitas vezes perdemos a capacidade de refletir sobre os fatores e ações que rodeiam a nossa vida. Certa vez, em um curso de Ética do qual participei, ministrado pelo Doutor Clóvis Filho, da Universidade de São Paulo (USP), ouvi coisas extraordinariamente novas para mim, que, agora, decido compartilhá-las.

Quem nunca escutou que “o desejo da maioria deve ser respeitado.” “Se a maioria escolheu, então é a melhor opção”?

Esse discurso se até cansativo, principalmente, quando o assunto é política. Para a alegria da maioria, ganha a eleição o candidato mais bem votado.

Mas, na verdade, o aplauso da maioria não significa que aquilo seja algo realmente bom. Um exemplo bastante comum é a morte de Jesus. Ele foi crucificado com o aplauso da maioria. Sócrates também passou por isso. Foi acusado e morto sob aprovação da maioria. E, assim, também, mataram-se milhões de judeus. Esses exemplos nos mostram que o aplauso da maioria protagonizou as maiores barbáries da humanidade.

Nem sempre a felicidade do maior número é um bom critério. Se o maior número está aplaudindo, aí é que devemos nos preocupar. Até porque, para ganhar o aplauso da maioria, as pessoas usam de vários artifícios. Um deles é a mentira.

Por exemplo, o vendedor vende bem quando, necessariamente, vende. Vendedor que não vende, não é bom vendedor. O que importa não é o método. O que vale é o resultado. Mas, percebe-se, que, quanto mais verdade esse vendedor disser sobre determinado produto, mais ele reduz as chances de venda. Quanto mais ele mentir, no sentido de dissimular as imperfeições, ou mostrar que aquele produto é exatamente aquilo que a pessoa precisa, ele aumenta as chances de venda.

Portanto, mentir para vender é uma conduta óbvia. O vendedor usa do artifício da mentira para vender. Por meio da mentira, ele consegue convencer. Se acharmos que a conduta do vendedor conta apenas em função do seu resultado, somos obrigados a aceitar que eticamente a mentira é aceitável. E isso é, no mínimo, discutível.

E, cá entre nós, não é exatamente isso que presenciamos em nosso dia a dia? Voltando ao assunto política, não é isso que vemos repetir de dois em dois anos, quando ocorrem as eleições?

Sempre a maioria escolhe os representantes do povo, e sempre vemos que os fatos que levaram a isso não estão baseados na verdade. Políticos são mestres na arte de contar histórias (e estórias). São bons em iludir a maioria. Em mentir como forma de alcançar o resultado esperado. Eles são vendedores de ilusões. Mas, quase sempre, esquecem que relações sem confiança não duram muito tempo. E, por isso, mais cedo ou mais tarde, como dizemos no jargão policial, a casa cai para eles. Precisamos abrir nossos olhos. A maioria não é tão sábia quanto parece.

terça-feira, 7 de abril de 2015

A arte de contar boas histórias

Jornalismo para mim é isso: a arte de contar boas histórias.

Histórias capazes de emocionar, de despertar interesse, de provocar reflexão.

Jornalista é quem vê o que os outros não veem. É quem conta o que não querem que conte.

Não é, apenas, relatar um fato qualquer. É transmitir algo surpreendente.

É aprofundar-se na História, resgatar o passado. É se antecipar ao futuro, prever o amanhã. É indignar-se com a injustiça, com a desigualdade.

Jornalismo não se contenta com superficialidades, com banalidades...

Jornalismo é independente. Jornalista, também. A não ser quando toma o lado da população. Aliás, esse é o único partido do jornalismo: a sociedade.

Jornalista é aquele que sente a dor do outro e age para que outras pessoas não passem pela mesma coisa.

Jornalista tem que se indignar com os fatos. Não pode ver as coisas erradas e continuar inerte a elas. Não é preciso corrigir as coisas, mas é necessário mostrá-las.

Jornalismo é feito de conteúdo. E o melhor conteúdo que um jornalista pode ter é a verdade. Nada, além da verdade, importa.

Jornalismo é investigação. E investigação nada mais é do que apurar os fatos. Fatos esses que contam a história da humanidade e ajudam a formar a consciência crítica de uma comunidade em determinado espaço de tempo.

Ao contar histórias embasadas na verdade e na ética, o jornalista terá a consciência tranquila ao deitar. E, com essa consciência, é que vai lutar por valores que orientem o aperfeiçoamento da sociedade, como liberdade, igualdade e respeito.

7 de abril, o Dia do Contador de História, vulgo Jornalista.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Transporte público no Brasil



Esta semana foi lançada uma enquete no perfil do JSBA no Facebook, para saber a opinião dos leitores sobre transporte público: deveria ser de graça?

As opiniões divergiram-se bastante. Muita gente, como a Sarah Ferreira, acredita que “se pago já uma precariedade, imagina gratuito.” A Margarete Moro acha que não daria certo. Rosivânia Oliveira não concorda com o serviço ser gratuito. “No Brasil nada é valorizado se é público. Os custos de manutenção triplicariam os valores dos impostos que já são altos”.

Na contramão destes, muita gente pensa que sim, o transporte público - assim como os demais serviços básicos - deveria ser gratuito. “Pelo tanto de imposto que pagamos, sim, deveria ser!”, afirma Drick Sousa. Jane Leal usa o mesmo argumento. “Com certeza, pagamos muitos impostos”.

Independente de o transporte ser pago, ou não, o que todos querem é um serviço de qualidade. “Não deveria ser gratuito, mas podia ser bom”, diz Dalva Gama. “Gratuito não digo, mas com um melhor conforto”, pede Regina Melo. “Quando tem qualidade é outra coisa”, opina Aucileia Damasceno. 

PROTESTOS 

Todo mundo se lembra dos protestos que varreram o Brasil – a partir de São Paulo – em junho de 2013. O que desencadeou aquela onda de revolta? O aumento no preço da passagem de ônibus. Mas não é o aumento em si que é a causa do problema. É a falta de qualidade. É aquela coisa: ninguém se importa em pagar um pouco mais caro em um produto, desde que ele ofereça tudo o que dele se espera. Mas todo mundo se importa em pagar por uma coisa que sempre vai te deixar na mão.

Ninguém acharia ruim se os ônibus fossem novos, confortáveis, com ar condicionado, oferecessem acessibilidade, cumprissem os itinerários corretamente, sem atrasos ou desvios... mas, hoje, andar de ônibus é um risco. E por isso as pessoas reclamam.

Vale lembrar que a culpa não é apenas das empresas que prestam esse serviço. O transporte público compreende, também, questões como mobilidade urbana e infraestrutura. 

CONTEXTO 

O transporte público, no Brasil, nunca foi bom. E vai demorar para ser. Principalmente pela forma que o país se desenvolveu. A partir da metade do século passado, o Brasil passou por muitas transformações no cenário econômico. Em pouco tempo, desenvolveu-se muito. O processo de migração das famílias do campo para cidade, aliado à total falta de planejamento, os serviços básicos ficaram comprometidos – incluindo o transporte. Aliado a isso, boa parte das empresas que instalaram suas fábricas no país foram montadoras de veículos. Isso acarretou consequências sérias enfrentadas até hoje. 

IMPACTOS 

Ao não oferecer um transporte público de qualidade, estimula-se o transporte individual. Como os espaços para se locomover de bicicleta, por exemplo, ainda são escassos, a grande maioria da população – que tem melhor condição – opta por carros e motos. E isso se reflete em outras áreas. 

Em 2012 o Ministério da Saúde gastou mais de R$ 416 milhões somente com o tratamento de vítimas de acidente de trânsito. Motociclistas representaram 48% dos casos. E, segundo o presidente da Associação Brasileira de Vítimas do Trânsito, Dirceu Rodrigues Alves, esse percentual cresce 103% ao ano.

Se o transporte público fosse adequado, o número de acidentes seria bem menor e, consequentemente, o recurso gasto, também.

Além do fato de prejudicar a classe menos favorecida que, muitas vezes, não pode ter acesso a entretenimento, cultura e lazer por conta dos percursos dos ônibus, valor das passagens e horário das rotas.

É preciso repensar as rotas existentes. Será que oferecem a melhor cobertura? Depois – e não menos importante – é necessário avaliar a condição das frotas existentes e detectar os problemas. Após isso, planejar as melhorias.

Santarém é uma cidade de porte médio, mas que começa a enfrentar graves problemas de trânsito. Fruto, principalmente, da falta de planejamento. A tendência é só piorar